José Sócrates: 'Educação é o grande projecto nacional'

O primeiro-ministro apontou ontem os 13 milhões de euros gastos na requalificação da Escola Secundária Sá de Miranda como exemplo do maior investimento de que há memória na Educação em Portugal. Na inauguração das obras de modernização do estabelecimento de ensino bracarense, José Sócrates defendeu que “a aposta na Educação resulta e é essencial para a afirmação da nossa economia”. O primeiro-ministro veio a Braga “partilhar a alegria de ter uma escola nova” acompanhado da ministra da Educação, Isabel Alçada, a qual anunciou que mais mais 90 escolas secundárias vão entrar em reabilitação ao abrigo do programa de modernização da empresa pública ‘Parque Escolar’. Ontem, membros do Governo inauguraram obras em 21 estabelecimentos de ensino um pouco por todo o país, num dia em que o executivo de José Sócrates quis assinalar a meta das 75 escolas secundárias requalificadas. Na ‘Sá de Miranda’, José Sócrates referiu por várias vezes que o investimento na Educação “é o mais importante na afirmação do País”, depois do ciclo das auto-estradas e outras infra-estruturas. “Para esses que falam de grandes projectos, aqui está um grande projecto”, afirmou o primeiro-ministro, apontando que Portugal assiste à “aposta mais séria na Educação de que há memória”. Segundo Sócrates, “nunca ninguém fez tanto em tão pouco tempo”, referindo-se às 75 escolas requalificadas nos últimos três anos e meio. Nova fase beneficia 12 escolas do Minho A visita de José Sócrates e Isabel Alçada a Braga foi aproveitada para a apresentação da nova fase de intervenção da ‘Parque Escolar’. Até 2015, estão previstas obras em 370 escolas, mais do que o inicialmente previsto no programa de modernização. Das 90 escolas secundárias que iniciam agora a sua requalificação, seis são do distrito de Braga e outras tantas do distrito de Viana do Castelo. No distrito bracarense serão modernizadas as secundárias de Amares, Barcelinhos, Celorico de Basto, Henrique Medina, Padre Benjamim Salgado e Vieira do Minho. Em Viana, as beneficiárias são as escolas Tomaz de Figueiredo, Sidónio Pais, Melgaço, Ponte da Barca, Valença e Barroselas. O investimento previsto nestas nove dezenas de estabelecimentos de ensino da 4ª fase do programa da ‘Parque Escolar’ é de 1 350 milhões de euros. “Nesta nova fase vamos ter um financiamento acrescido de 680 milhões de euros em relação à fase anterior”, revelou a ministra da Educação, garantindo que todas as obras são feitas por concurso público e sem derrapagens orçamentais e financeiras. Isabel Alçada reforçou que além de melhorarem a qualidade da oferta educativa, as obras em questão estimulam a economia, ao proporcionarem postos de trabalho e rendimento para as empresas nas diversas atividades envolvidas, desde o projecto à conclusão da obra e equipamento do espaço. “Estimamos que a nova fase vai permitir a criação ou a manutenção de 13 500 postos de trabalho em todo o tipo de funções”, precisou Isabel Alçada, segundo a qual 3 000 empresas trabalham com a ‘Parq ue Escolar’. Aposta nos centros escolares A ministra acrescentou que também os estabelecimentos do primeiro ciclo têm vindo a ser alvo de renovação, em parceria com as autarquias, envolvendo este programa 771 centros escolares. Ainda de acordo com a ministra, estão concluídos 229 centros, representando um investimento de 750 milhões de euros, dos quais 220 milhões a cargo das câmaras municipais e 530 milhões financiados por fundos comunitários. Também nos 2.º e 3.º ciclos está em curso um programa de modernização que envolve 78 escolas, das quais 19 estão prontas, 24 em construção e 35 em projecto. “Neste caso, o investimento total é de 293 milhões de euros”, indicou Isabel Alçada, precisando serem 222 milhões de euros do Orçamento do Estado, 21 milhões das câmaras e 50 milhões de fundos comunitários. A melhor prenda de 175 anos da Escola Sá de Miranda A inauguração das obras de requalificação da Escola Secundária Sá de Miranda foi, segundo o seu director , “a melhor prenda” no ano em que se comemoram 175 anos deste estabelecimento de ensino. Fausto Farinha recordou ontem que a melhoria das instalações foi uma reivindicação de sucessivas direcções do antigo ‘Liceu Nacional’, de forma mais insistente desde 1985. O edifício, alvo de continuadas adaptações desde finais do século XIX, “já há muito que não correspondia às novas exigências de ensino”, referiu o director da ‘Sá de Miranda’, na sessão solene de inauguração das obras. Concluída a requalificação, que se prolongou por mais de dois anos lectivos, Fausto Farinha pediu à comunidade educativa “mais trabalho e ensino de qualidade”, a par de mais dinâmica cultural, salientando que os espaços da ‘Sá de Miranda’ passam a estar “ao serviço das forças culturais e sociais da cidade”. No renovado ginásio, local onde chegou a fazer exames nos seus tempos de estudante do Liceu, o presidente da Câmara de Braga elogiou “a requalificação de grande qualidade e de muito bom gosto” realizada na Escola Sá de Miranda. “Hoje esta escola tem condições logísticas para competir com qualquer escola do mundo”, disse o autarca, depois da visita a alguns dos espaços renovados como as salas de informática, biblioteca, auditório, sala de geografia, laboratórios e teatro. André Soares e Francisco Sanches a seguir Mesquita Machado adiantou que, ainda este ano, se iniciam as obras de requalificação de outros dois estabelecimentos de ensino da cidade de Braga: as escolas EB 2,3 André Soares e Francisco Sanches. “No município de Braga pode não haver dinheiro para muita coisa, mas tem de haver sempre dinheiro para a Educação”, salientou. “Magnífica obra e motivo de orgulho para Braga” foi como a ministra da Educação se referiu à requalificação da Escola Sá de Miranda, estabelecimento frequentado por 1 400 alunos. “Os edifícios hoje (ontem) inaugurados transformaram-se em espaços contemporâneos e adequados às funções a que se destinam”, explicou Isabel Alçada.

fonte:http://www.correiodominho.com/

publicado por adm às 22:28 | comentar | favorito