Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Educação

Tudo sobre a educação em Portugal

Tudo sobre a educação em Portugal

Educação

13
Fev12

Universidade do Porto introduz ferramenta de detecção de plágio

adm
A Universidade do Porto começou a utilizar uma ferramenta digital de prevenção de plágio, que permite detectar material reproduzido apoiada em bases de dados internacionais.

Como explicou a responsável do departamento de Novas Tecnologias da Universidade do Porto (UP), Isabel Martins, a ferramenta Turnitin “é um ‘software’ de detecção de originalidade de trabalhos académicos”, que permite a integração na plataforma Moodle, utilizada pela UP e por várias outras instituições em Portugal. 

“Os professores devem disponibilizar o trabalho nesse formato aos estudantes, para que eles possam submeter os seus trabalhos e, de uma forma formativa, irem avaliando e comparando com bases de dados já existentes para verificarem se há plágio nos trabalhos que estão a submeter para que [os alunos] possam reformular”, afirmou Isabel Martins. 

A UP vai promover uma sessão de divulgação do programa na próxima quarta-feira e explica, no texto publicado na página da universidade, que “não pretende servir a ‘caça’ ao plágio, mas antes alertar e consciencializar a comunidade académica da UP para os riscos associados àquela prática”. 

A universidade fez uma experiência de 30 dias, seguida de uma demonstração por um responsável do programa, o que, depois de pesados os pontos a favor e contra, levou ao licenciamento da ferramenta por um ano “para ver qual será a reacção da comunidade académica”, disse Isabel Martins. 

A responsável do departamento de Novas Tecnologias salientou que não pretendem fazer com que seja punitiva, mas sim de uso formativo. 

O Turnitin não funciona por defeito, sendo necessário que o professor responsável escolha aplicar o ‘software’ na unidade curricular que lecciona. 

Isabel Martins disse apenas ter conhecimento de escolas de gestão que utilizam o programa e não quaisquer outras universidades em Portugal. 

A Lusa contactou a empresa responsável pelo “software” que não pôde informar se há mais entidades de ensino superior a utilizá-lo em Portugal, uma vez que é assinado um acordo de confidencialidade, referindo apenas que há cinco instituições a aplicar a ferramenta em português, sendo uma delas a UP e a outra a Universidade Estadual Paulista, em São Paulo.

fonte:http://www.publico.pt/E

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D