Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Educação

Tudo sobre a educação em Portugal

Tudo sobre a educação em Portugal

Educação

15
Jan13

Aumento de propinas para 1066 euros é "quase inevitável"

adm

O aumento das propinas para um valor máximo de 1.066 euros é "problemático", mas "quase inevitável", defendeu hoje a pró-reitora da Universidade de Lisboa.

O aumento das propinas para um valor máximo de 1.066 euros é "problemático", mas "quase inevitável", defendeu hoje a pró-reitora da Universidade de Lisboa, recordando que frequentar uma universidade pública custa 5.800 euros por ano.

Desde 2003 que as propinas são actualizadas de acordo com a inflação média registada no ano anterior. O valor máximo fixado para este ano lectivo pelas universidades públicas foi de 1.037 euros (apenas as Universidades do Porto e do Algarve não aplicaram essa propina).

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa média de inflação registada no ano passado foi de 2,8%, o que significa que as propinas poderão aumentar 29 euros, atingindo os 1.066 euros. A fixação do valor da propina cabe aos Conselhos Gerais das Universidades.

Para a pró-reitora e especialista em financiamento do Ensino Superior, Luísa Cerdeira, o aumento "é problemático", mas "quase inevitável".

"A maioria das instituições tem vindo a fixar o valor da propina máxima na medida em que são necessárias as receitas das propinas porque a parte do Orçamento do Estado para o Ensino Superior tem vindo a diminuir", recordou Luísa Cerdeira, em declarações à Lusa.

Por isso, o aumento máximo, "na actual conjuntura é algo que é quase inevitável", admitiu a especialista, lembrando que as propinas representam apenas uma pequena fatia dos custos suportados pelas famílias.

Segundo o estudo "Quanto Custa Estudar no Ensino Superior 
Português", coordenado pela investigadora Luísa Cerdeira, um aluno no Ensino Superior Público gastou em média 5.841 euros no ano lectivo de 2010/2011.

O valor tem em conta gastos com educação (que englobam itens como livros, material escolar, fotocópias ou propinas) e os "custos de vida" (referentes a alimentação, alojamento ou transportes).

"Os custos com educação foram de 1.241 euros e os 'custos de vida' foram de 4.600 euros", explicou a especialista, salientando que os valores apurados em 2010/2011 continuam actuais, mas a situação actual das famílias é mais complicada, porque têm menos rendimentos para fazer face às despesas.

Por exemplo, para uma família com o salário mínimo nacional (6650 euros/ano), um filho na universidade consome 88% daquele rendimento.

Resultado: "Existe um grande número de famílias com baixos e médios rendimentos a quem é difícil, e começa a ser inacessível ter um filho no ensino superior".

Apesar do agravamento da situação, a especialista em financiamento do Ensino Superior chama a atenção para o último relatório do FMI, divulgado na semana passada, "que defende uma subida muito elevada das propinas".

"Aquilo que é aconselhado pelo FMI é um grave perigo para tornar novamente o ensino superior só para poucos ou só para os ricos. Uma coisa é a actualização que está a ser feita desde 2003, que é a actualização à taxa de inflação, outra coisa é aquilo que lá está proposto, que é uma subida acentuada do nível de propinas. Isso é gravíssimo", alertou Luísa Cerdeira.

"Ora quando falam em subidas muito elevadas, não estão certamente a pensar em aumentos de 2,8%", defendeu a pró-reitora.

fonte:http://economico.sapo.pt/

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D