Mais de mil bolsas de estudo vão ser pagas em Setembro

O ministro da Educação e Ciência disse que, este ano, já estão prontas para pagamento "mais de mil" bolsas a estudantes do Ensino Superior.

Nuno Crato que fez hoje no Parlamento as primeiras declarações políticas do Governo, nesta sessão legislativa, explicou que o novo regulamento de bolsas, publicado em Junho, permite que as candidaturas sejam apresentadas sem prazo e analisadas em permanência.

"Neste momento, já temos analisadas e prontas para serem pagas mais de mil bolsas. As coisas estão melhor que no ano passado", disse o ministro, salientando que são bolsas de alunos de todos os anos.

No plenário, Nuno Crato fez um balanço do arranque do ano lectivo que considera ter decorrido com "normalidade" dizendo que só cinco escolas é que ainda não abriram e que no Ensino Superior, as aulas do primeiro ano começaram pela primeira vez ao mesmo tempo que os outros anos.

"É um empreendimento que, na rede escolar pública do Continente, envolve cerca de um milhão e 300 mil alunos, milhares e milhares de professores, mais de mil directores, e que foi feito com sucesso, porque esses profissionais para isso trabalharam", disse o ministro.

O deputado socialista Rui Santos perguntou ao ministro onde tinha ido de férias, acusando-o de ter um discurso que não reflecte a realidade do país e de ter "medo da comunidade escolar", por não ter visitado escolas no início deste ano escolar.

Nuno Crato perguntou se o deputado tinha escrito a sua intervenção nas férias, esclarecendo que tinha visitado "dez escolas nos últimos seis dias" e aconselhando o deputado a estar atento às notas de agenda do Ministério.

Pelo PCP, Miguel Tiago acusou Nuno Crato de estar a "reconstruir a escola de antes do 25 de Abril", acusando-o de querer uma "escola dual", com "liceu e escola técnica", cabendo aos filhos dos trabalhadores "só ver o trabalho à sua frente".

Ana Drago, do Bloco de Esquerda, acusou Nuno Crato de, ao reduzir o investimento na educação, tornar as escolas "mais pobres", quer em meios quer em oferta pedagógica e dificultar a vida às famílias, confrontadas com falta de apoios sociais para manuais ou transporte.

Heloísa Apolónia, dos Verdes, afirmou que com "menos professores e menos auxiliares, estão criadas as condições para o aumento do insucesso escolar".

fonte:http://economico.sapo.pt/n

publicado por adm às 23:55 | comentar | favorito