Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Educação

Tudo sobre a educação em Portugal

Tudo sobre a educação em Portugal

Educação

30
Ago12

Estudantes voltam a contestar vantagens para alunos do ensino recorrente

adm
Um grupo de estudantes do ensino regular vai apelar nesta quinta-feira ao Ministério da Educação e Ciência (MEC) para que "não desista de lutar contra a decisão judicial que permitiu que 295 alunos do ensino recorrente continuassem a beneficiar de condições mais vantajosas no acesso ao ensino superior", explica uma das promotoras da manifestação, Eduarda Neves.

Mas, a cerca de duas semanas da publicação dos resultados da primeira fase de candidatura às universidades, a única garantia é a de que, se o MEC ganhar o recurso, os alunos do recorrente seguirão para o Supremo Tribunal Administrativo, diz o respectivo advogado.

"É muitíssimo pouco provável que o MEC ganhe. Mas, se tal acontecesse, também nós recorreríamos, se fosse preciso até ao Tribunal dos Direitos Humanos", comentou ontem Jorge Braga, o advogado que representa dois grupos de alunos do ensino recorrente, um de 200 alunos, outro de 84, que ganharam as respectivas acções em tribunal. Segundo Jorge Braga, a justiça condenou a alteração de regras a meio do jogo - mais concretamente, neste caso, a "mudança das regras do acesso ao Ensino Superior a meio do ano lectivo". 

A polémica estalou há um ano, quando se verificou que 225 estudantes haviam ingressado no superior depois de terem subido a nota de candidatura através da frequência de apenas um ano do ensino recorrente, uma modalidade concebida para proporcionar uma segunda oportunidade a quem abandonara precocemente o sistema educativo. Foram denunciados inúmeros casos de alunos que em 2010 se haviam candidatado com médias do secundário a rondar os 18 valores e que um ano depois - sem necessidade de fazer qualquer exame nacional - se apresentaram a concurso com 20. 

Em Outubro de 2011, Nuno Crato anunciou que mudaria as regras de maneira a evitar uma situação que, "apesar de legal", considerou "imoral". E em Fevereiro foi publicada a portaria que resolvia de vez as injustiças denunciadas por estudantes do ensino regular, muitos dos quais foram ultrapassados pelos colegas do recorrente no acesso a Medicina. 

A imposição da realização de exames nacionais para concluir o secundário e prosseguir estudos "levou muitos dos melhores alunos do recorrente a anularem as matrículas", como ontem confirmaram ao PÚBLICO as directoras dos externatos Luís de Camões e Carvalho Araújo. Ainda assim, 3791 estudantes do recorrente viriam a inscrever-se em exames para se candidatarem ao ensino superior e 295 optaram por reclamar aqueles que consideravam ser os seus direitos em tribunal. Em Julho foi conhecida a sentença do Tribunal Administrativo de Lisboa, que deu provimento à intimação para defesa de direitos dos alunos do recorrente, por considerar que aqueles detinham "legítimas expectativas" na manutenção do regime jurídico preexistente ao início do ano lectivo. 

Se a decisão satisfez uns, deixou outros indignados: "O ministro não pode desistir! Tem de lutar contra esta injustiça", apelava ontem Eduarda Neves, coordenadora do grupo no Facebook que convocou para as 16h de hoje a manifestação junto ao MEC, em Lisboa. Eduarda diz que no protesto estarão pessoas que há um ano concorreram com média de 18 a Medicina e que "ficaram fora do sistema, empurradas pelos alunos do recorrente". Ela entrou em Medicina Dentária, mas não se conformou. Fez o exame nacional de Matemática, subindo a média de 17,82 para 18,15, e voltou a candidatar-se. Dia 10, saberá se entrou em Medicina, mas está receosa: "A verdade é que posso ser outra vez ultrapassada pelos do recorrente."

fonte:http://www.publico.pt/E

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D