Doze mil professores sem trabalho

O desemprego dos professores do ensino secundário e superior cresceu 136% no espaço de um ano. Por sua vez, entre os profissionais do nível intermédio de ensino o desemprego sofreu um agravamento de 56%, revelam os dados divulgados este mês pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

 

A perda de trabalho entre os profissionais do ensino, em que o Estado é a principal entidade empregadora, atinge valores que não têm paralelo em qualquer outro grupo de profissões. No conjunto das diferentes áreas laborais, o desemprego cresceu 20%, entre Abril de 2011 e Abril deste ano. Nas contas do IEFP, Portugal passou de 517 mil desempregados em 2011 para 623 mil em Abril último. Na área da Educação, os desempregados praticamente duplicaram, passando de 6187 para 12 071.

As elevadas taxas de desemprego nos professores são acompanhadas pela destruição de 22 mil postos de trabalho nas escolas. Segundo divulgou o Instituto Nacional de Estatística (INE), a população activa ligada ao ensino era de 384 800 funcionários no primeiro trimestre de 2011, tendo caído para 362 mil no primeiro trimestre deste ano.

Por dia, há 16 profissionais da educação que ficam desempregados. As estruturas sindicais dizem que o desemprego atinge "proporções alarmantes".

PREVISTAS ENTRE 200 A 300 VAGAS PARA CIENTISTAS

No próximo ano serão abertas 200 a 300 vagas para investigadores da Fundação para a Ciência e para Tecnologia, revelou a secretária de Estado de Ciência, Leonor Parreira. Recorde-se que no concurso deste ano, que já encerrou, foram disponibilizadas 80 vagas, às quais se candidataram 1200 investigadores . O objectivo do ministério, referiu Leonor Parreira , "é manter entre mil a 1200 investigadores no sistema científico e tecnológico todos os anos".

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/


publicado por adm às 07:49 | favorito