Aumenta insucesso escolar

São cada vez mais os alunos que reprovam no Secundário, não conseguindo, por isso, frequentar o ano correcto para a sua idade. O Conselho Nacional de Educação (CNE) elaborou um relatório onde retrata uma década de educação em Portugal, e os resultados indicam que o desvio etário para o 10º, 11º e 12º agravou-se no ano lectivo de 2009/2010.

A descida mais significativa ocorre no 12º ano, com mais de metade dos alunos do sexo masculino a frequentarem outros anos. O relatório revela que com 17 anos, no ano lectivo de 2008/2009 havia 48% de alunos no 12º ano. Um ano depois, esse valor baixou para 45%.

Nas alunas, embora os resultados sejam melhores, também se verificou uma descida das que nunca reprovaram. No 12º ano, o grupo das alunas com 17 anos – idade ideal para frequentar o último ano do Secundário – desceu de 57%, em 2008/2009, para 55%, em 2009/2010.

Assim só metade dos estudantes com 17 anos estavam no 12º ano. Na outra metade, 30% frequentavam o Secundário, mas no 10º e 11º ano. Dez por cento eram estudantes no Ensino Básico e os restantes 10% tinham abandonado a escola. Este indicador permite concluir que com a obrigatoriedade de frequentar a escola até aos 18 anos, haverá um acréscimo de 10% de alunos.

Estes dados integram os cursos profissionais e os cursos de aprendizagem. Os resultados pioram quando comparados com dados que apenas referem os cursos científico-humanísticos e tecnológicos do Secundário, e que estão no quadro em baixo.

Na análise distrito a distrito, verifica-se que o Norte apresenta melhores resultados na conclusão do Básico e Secundário, factor que permite melhores classificações no acesso à universidade. Segundo o CNE "as regiões com maior incidência de desvio etário são, em boa parte, aquelas que apresentam proporções mais elevadas de alunos nos níveis mais baixos da escala de classificação", nas provas de aferição e exames nacionais.

Em 2010, os portugueses com idades entre os 25 e os 64 anos com o 12º ano eram 31,9%. Em 2000, esse valor era de 19,4%.

PROFESSORES MAIS VELHOS

Há um envelhecimento dos professores em todos os níveis do ensino, revela o último relatório do Conselho Nacional de Educação, sendo superior o número de docentes com mais de 50 anos, face aos que têm menos de 30. Os educadores de infância com menos de 30 anos são hoje cerca de dois mil, enquanto os que já fizeram 50 anos são três mil.

No Ensino Básico e Secundário, a diferença é ainda mais representativa: os mais novos são 14 mil, enquanto que os professores com mais de 50 anos são 40 mil.

Igual tendência é verificada no Ensino Superior público e privado. São dois mil os professores com idades inferiores a 30 anos e 11 mil os com mais de 50 anos.

Albino Almeida, que integra o painel de conselheiros, entende que o envelhecimento do corpo docente prejudica a qualidade do ensino. "Os professores com mais de 55 anos não têm as condições ideais para estar numa sala de aulas", referiu o também presidente da Confederação Nac. das Associações de Pais (Confap).

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/d


publicado por adm às 11:43 | comentar | favorito