Exame de Geometria Descritiva “foi complexo”

Ao final desta manhã, os alunos do 11º ano da Escola Secundária Homem Cristo de Aveiro que realizaram o exame nacional de Geometria Descritiva confessavam ter sido confrontados com uma prova complexa e exigente.

 

“Foi mais difícil do que eu estava à espera”, relatava Luís Vieira, de 16 anos, à saída do exame nacional que teve a duração de duas horas e meia (mais 30 minutos de tolerância). 

Para os alunos ouvidos pelo PÚBLICO à saída da escola secundária aveirense, a grande dificuldade da prova nacional prendeu-se, precisamente, com o facto de terem sido confrontados com matéria que não deram nas aulas. “A última questão, relativa às Axonometrias era complexa e nós não tínhamos dado nas aulas”, lamentou Rita Portas, de 17 anos. 

Filipe Furão corroborou a opinião da colega de escola e deu por bem empregue o esforço feito nas explicações que teve ao longo do ano. “Como tive explicações, acabei por conseguir trabalhar essa matéria. O problema foi para quem só teve as aulas”, declarou este aluno da área de Ciências e Tecnologia. 

Aliás, do grupo de alunos que abandonaram a sala da Escola Secundária Homem Cristo logo ao primeiro toque – após o período de duas horas e meia -, Filipe Furão foi o único que se mostrou mais optimista quanto ao exame nacional de Geometria Descritiva. “A prova correu muito bem”, afirmou, ao mesmo tempo que garantia que “todas as perguntas que saíram tinham um grau de exigência equilibrado”. 

Já João Francisco, de 16 anos, comentou ter sido confrontado com alguma complexidade nas questões levantadas na prova. “A pergunta número três, por exemplo, era algo confusa”, disse este aluno da escola secundária aveirense à saída do exame. Filipe Fontes confirmou esta perspectiva e declarou que o exame "não foi nada fácil", em especial as duas últimas questões.

fonte:http://www.publico.pt/E

publicado por adm às 12:23 | comentar | favorito