01
Abr 13

Seis formas surpreendentes de obter melhores notas

Estudar é o método mais óbvio de atingir o topo da escala e arrancar sorrisos de orelha a orelha aos pais. Mas há outros truques que também o ajudam a chegar lá, e que nem lhe passam pela cabeça.

Quando se prepara para um exame a sua preocupação vai para o estudo, puro e duro, na ânsia de conseguir a melhor nota. Mas vários estudos têm provado que há outras técnicas que pode usar para obter mais uns pontos na pauta. A boa notícia, é que todas são muito fáceis de seguir.     

Escutar música clássica


Estudar com música não é para todos, mas investigadores da Universidade de Dayton descobriram que os trechos rápidos de música clássica melhoram a capacidade cognitiva, especialmente a forma como o cérebro entende as palavras e organiza a informação. A música de Mozart foi a que produziu melhores resultados.

 

Mascar pastilha


Parece brincadeira, mas os especialistas garantem que mascar pastilha elástica antes ou durante os exames bombeia mais sangue para o cérebro, deixando-o mais ágil e alerta. A experiência foi feita com dois grupos de estudantes no Baylor College of Medicine, em Houston, nos Estados Unidos, e os resultados mostraram que os alunos que mascavam pastilha durante os exames conseguiam melhores notas.

 

Tomar o pequeno-almoço


Está fora de questão ir para o exame sem comer. Cientistas alemães estudaram o efeito desta refeição nos estudantes e perceberam que reforça a capacidade cognitiva de curto-prazo e a concentração. Tomar um bom pequeno-almoço também vai garantir que não tem um ataque de fome durante a prova, o que o pode deixar obcecado pela comida, em vez de se concentrar nas respostas.

 

Beber água


Se o deixarem entrar na sala com uma garrafa de água, não hesite. Como o cérebro é composto por 75% de água, beber ao longo da prova vai facilitar a comunicação entre os neurónios, melhorar a memória, a concentração e a atenção. Este facto foi comprovado por uma equipa de investigadores da University of East London, que avaliou o impacto sobre a nota em 10%.

 

Fazer exercício físico


Levantar-se mais cedo para fazer uns minutos de jogging pode influenciar o resultado que verá mais tarde na pauta. A relação entre o exercício físico e a capacidade cognitiva é estudada há muito tempo e já provou que esta actividade reforça as ligações entre os neurónios, melhorando claramente o desempenho.

 

Obter uma recompensa


Um estudo da Universidade de Chicago percebeu que os estudantes se movem por recompensas imediatas. Mas, curiosamente, o efeito nas notas é mais evidente se o aluno teme perder um 'prémio' que já tem na frente, do que simplesmente se espera consegui-lo no final. Ou seja, durante a experiência, as notas eram mais elevadas quando os alunos viam, antes da prova o 'troféu' que conquistariam se tivessem bons resultados, do que quando lhes era apenas prometido o prémio para depois da prova.



fonte: http://expresso.sapo.pt/

publicado por adm às 22:23 | comentar | favorito
22
Nov 12

100 estudantes abandonam por dia o ensino superior

Várias centenas de estudantes universitários manifestaram-se, esta quinta-feira à tarde, em Lisboa, por mais financiamento e ação social. Mais de nove mil já perderam bolsa este ano e cerca de 100 abandonam diariamente o ensino superior, denunciaram dirigentes de associações académicas.


A estimativa é feita pelas 15 associações de estudantes que participaram na manifestação: cerca de 100 alunos abandonam diariamente o ensino. É uma realidade a que assistimos diariamente, repetem ao JN.

"Só vemos alunos a quererem desistir e a pedir aos professores para, pelo menos, os deixarem assistir às aulas", afirmou ao JN Inês Soares, da Associação de Estudantes da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.

Os estudantes entregaram um manifesto a deputados do PCP, do Bloco de Esquerda e à Comissão Parlamentar de Educação em que reivindicam a reposição do passe escolar, a revisão do regulamento de bolsas, mais financiamento para o setor e o fim dos aumentos consecutivos das propinas.

"Desde 2003 até este ano, as propinas já aumentaram 27%. Há passes que sofreram aumentos de 300%, subiram de 15 para mais de 50 euros", sublinhou André Pereira. De acordo com o dirigente da associação de estudantes do ISCTE, 23% dos pedidos de bolsa já foram indeferidos pela Direção-Geral do Ensino Superior (cerca de nove mil estudantes).

Os estudantes protestaram contra o regulamento de bolsas que só abrange "quem é pobre" e que exclui todos, cujos pais têm dívidas ao fisco e Segurança Social. A classe média abandona diariamente o ensino e os fundos de emergência social são insuficientes para os pedidos e até desconhecidos para a maioria dos estudantes, alertam.

 fonte:http://www.jn.pt/P


publicado por adm às 21:35 | comentar | favorito
08
Mai 12

Quase seis mil portugueses estudaram no estrangeiro em 2010/2011

Quase seis mil universitários portugueses saíram do país no ano letivo de 2010/2011 para estudar no estrangeiro, ao abrigo do programa Erasmus, segundo dados divulgados esta terça-feira, em Bruxelas.

De acordo com os dados do programa europeu, 5.946 estudantes portugueses escolheram universidades estrangeiras, mais 10,7% em relação ao ano letivo de 2009/2010 (5.388).

O Programa Erasmus tem como objetivo geral apoiar a criação de um Espaço Europeu de Ensino Superior, incentivando a mobilidade estudantil.

A Espanha foi o país escolhido pela maioria (1.425) dos universitários portugueses, no ano letivo 2010-2011, seguindo-se a Itália (904), Polónia (665) e República Checa, (343).

Por outro lado, as universidades portuguesas receberam 8.536 estudantes estrangeiros, ao abrigo do Erasmus, na sua maioria espanhóis (2.463), seguindo-se italianos (1.011), polacos (1.057) e alemães (545).

A universidade portuguesa que maior número de estudantes estrangeiros acolheu foi a Técnica de Lisboa, com 733, e que está em 26.º lugar no top 100 das instituições que mais alunos acolhem na União Europeia.

Em 33.º lugar está a Universidade do Porto, com 688 estudantes estrangeiros, imediatamente seguida da de Coimbra (686 alunos).

A Universidade Nova de Lisboa surge na 40.ª posição do top 100, com 626 alunos chegados via programa Erasmus e a Universidade de Lisboa ocupa a 60.ª, com 520.

A Universidade de Granada, em Espanha, está em primeiro lugar no 'ranking', com 2019 estudantes oriundos de outros países.

"O programa Erasmus, cujas bodas de prata se celebram este ano, é uma das maiores histórias de sucesso da União Europeia. Os números falam por si - e seriam ainda mais elevados se tivéssemos os recursos para responder à procura. Nestes tempos difíceis, as competências adquiridas através dos estudos e estágios Erasmus são mais valiosas do que nunca", disse, a comissária europeia para a Educação, Androulla Vassiliou.

Em novembro passado, a Comissão apresentou a sua proposta "Erasmus para Todos", um novo programa global que reúne o Erasmus e todos os outros programas da UE e internacionais no domínio da educação, da formação, da juventude e do desporto.

Esta proposta será discutida, na sexta-feira, pelos ministros da tutela dos 27, em Bruxelas.

fonte:http://www.jn.pt/

publicado por adm às 22:55 | comentar | favorito
28
Dez 11

Estudantes já podem voltar a pedir empréstimos

Os estudantes já podem voltar a pedir empréstimos caso necessitem. O Ministério da Educação e Ciência (MEC) deu «luz verde» à retoma do sistema de crédito bancário com garantia mútua a estudantes do Ensino Superior, um programa que estava suspenso desde o início do ano lectivo.

Ao abrigo desta linha de crédito, o Estado comprometeu-se, anualmente, a reforçar o fundo de contra garantia mútuo com o capital necessário para assegurar a sua continuidade.

A decisão de proceder à suspensão do sistema tinha resultado do atraso existente, desde Maio de 2010, na liquidação do montante necessário à capitalização do fundo de contra garantia mútuo, desvio esse que foi identificado pelo actual Executivo em Julho de 2011, adianta o MEC num comunicado citado pela Lusa.

Desde essa data, o ministério manteve contactos com a Sociedade Portuguesa de Garantia Mútua com vista à reabertura da linha de crédito, tendo agora chegado a um acordo que, ao mesmo tempo que inicia a liquidação dos montantes em atraso, permite reactivar o sistema, assegurando a manutenção das condições, nomeadamente o montante do crédito, o prazo de utilização e de reembolso, o período de carência e a taxa de juro.

Segundo o Ministério da Educação e Ciência, o sistema agora retomado permite aos estudantes financiar os seus estudos superiores, beneficiando de uma garantia prestada pelo Estado português, através do Sistema de Garantia Mútua, que dispensa a intervenção de terceiros, com uma taxa de juro baixa e um prazo alargado de reembolso.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/e

publicado por adm às 23:18 | comentar | favorito
12
Dez 10

Estudantes portugueses sobem no ranking da OCDE

Os alunos portugueses melhoraram em língua, matemática e ciências, desempenho que permitiu subir no ranking da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE).

A avaliação é baseada nos testes PISA (Programme for International Student Assessment), que avalia o desempenho escolar dos jovens de 15 anos dos países da OCDE e de outros parceiros. Portugal está agora na posição 21 entre os 33 países que entraram neste inquérito sobre as competências de leitura, ao lado de Suécia, Irlanda, França ou Reino Unido e dentro da média da OCDE.

O investimento feito em computadores portáteis, acesso à banda larga, refeições, aumento do apoio social escolar contribuíram para a evolução, aponta o relatório da OCDE. Outros factores foram o Plano Nacional de Leitura, o Plano de Acção para a Matemática, bem como a formação de professores em Matemática e Ciências.

O relatório assinala que a melhoria se deve à evolução dos alunos com piores desempenhos, enquanto os que tinham melhores resultados mantiveram-nos.

A ministra da Educação, Isabel Alçada, mostrou satisfação pelos resultados alcançados. «Estes resultados revelam que o nosso país alcançou uma significativa melhoria em leitura, matemática e ciências. Pela primeira vez, Portugal está na média de leitura da OCDE», comentou à TSF.

«O nosso país é um dos que melhor compensa assimetrias de origem social. Temos um número muito elevado de alunos oriundos de famílias desfavorecidas e que obtiveram resultados excelentes», disse.

fonte:http://abola.pt/

publicado por adm às 16:14 | comentar | favorito